Garagem é um lugar onde se guardam carros.-.Garagem é o lugar onde a banda toca.-.Garagem é o lugar onde se guardam as ferramentas.-.Mas essa garagem é um lugar diferente.-.Que nem todo mundo entende...

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

A Arte de se Descobrir (Por: Zizi Marques e Valdir Higino)

Utilizar o papel como ocupação tornou-se um sutil processo de reabilitação na Abdim onde dobrar, colar, enrolar e cortar trouxe não somente uma ação positiva as terapias realizadas na terapia Ocupacional, como ao relacionamento entre pacientes, familiares e profissionais da comunidade.
 
  video
Dra Ana Lucia Langer - Abdim
 
Grande parte dos associados da Abdim é do sexo masculino, então, a primeira conquista obtida foi vencer o desafio de um tabu, provar que as atividades artesanais não é coisa somente para meninas; Desmistificando esta teoria e reavivando as atividades artesanais entre os pacientes, a terapia ocupacional precisava inovar e Como peça fundamental a escolha do material trabalhado, o papel; Nascia uma nova descoberta!

Ainda em processo de ajustes os primeiros trabalhos foram surgindo...
Foi quando recebemos uma visita ilustre que encantou a todos, a presença do Artista e inspirador, Carlos Eduardo Mac Quillin que com o seu imenso talento, mostrou que arte não é mérito apenas da Alma feminina.

Incentivo e profissionalismo, a Equipe de Terapia Ocupacional tinha para dar e vender, o material para trabalhar já estava escolhido - O PAPEL, instrução e inspiração – o artista Mac Quillin nos agraciava com sua parceria, matéria prima – papel reaproveitável (a maior quantidade possível em respeito ao Meio Ambiente); Do que mais precisávamos?!
 Faltava os novos artistas arregaçarem as mangas e deixarem a criatividade aflorar!
A cada obra, um desafio maior... Uma técnica nova conquistada e a segurança de novas metas.
Não pulamos etapas, não desrespeitamos limites, garimpamos o terreno como um trabalho de formiguinhas conscientes de nossas limitações e cheios de vontade de explorar novos caminhos.
Habilit Art foi a nossa terceira exposição, no Museu da América Latina, o primeiro grande convite aberto ao público em geral. 

Nos caminhos da Pessoa com deficiência, (tema da Exposição), nos trouxe o ensejo de mostrarmos o nosso trabalho, mas também o de vivenciarmos uma nova caminhada, a caminhada da Inclusão Social.

Através da arte tivemos a oportunidade de SER caminho, de nos colocarmos no lugar do outro, de sermos solidários e de nos inserirmos no papel social inclusivo, pois levamos a nossa experiência de tratamento e ocupação, experimentamos uma realidade nova ao preparamos os textos para o áudio descrição e para as TACS em Braille, participamos da oficina de arte em papel (no encerramento); e aprendemos...  A-PREN-DE-MOS MUITO!

O Memorial da América Latina, com o Memorial da Inclusão, prova que se pode ter um ambiente bonito e acolhedor, um ambiente público que respeita a diversidade entre as  pessoas.
 As necessidades especiais da Pessoa Portadora de Deficiência Física, ainda são conotadas de forma negativa na sociedade, hoje, quando se diz que uma pessoa é “especial”, estamos dizendo, ao mesmo tempo, que ela é uma exceção na sociedade, ou seja, que é alguém que deve ficar de fora, Mas a pessoa com deficiência é apenas uma pessoa com algumas limitações e, mesmo com essas limitações, pode conviver em sociedade, pode ser PRO – DU – TI - VA desde que haja adaptação a esta convivência, não constituímos um grupo a parte da população geral, pertencemos a ela!
Que possamos continuar nossa caminhada, vencendo as barreiras do asilamento, pois é necessária uma nova mentalidade na busca da superação das limitações, na Inclusão Social e na fraternidade, ainda temos muito a aprender inseridos homogeneamente na sociedade em geral basta sermos aceitos.
( Texto: Zizi Marques )
 
Depoimento:  Valdir Higino:
                    
Confesso que fui pego de surpresa quando num belo dia fui convidado para fazer estas tais descrições; A audiodescrição é um recurso que consiste em narrar as propriedades de uma obra como as cores, a textura, seu titulo, os autores e etc, para que pessoas com deficiência visual, através de uma narrativa explicativa, ouvindo cada detalhe, possam “visualizar” a sua maneira, a arte em sua volta. Nunca havia feito algo do tipo!

Depois de refletir e querer apenas e tão somente ajudar, me enchi de coragem e com a colaboração da equipe de terapia ocupacional, montamos nosso mini estúdio e começamos a gravar.
E cada vez que soava o clic, era pedido silencio e eu começava a decorrer sobre o texto, fui me dando conta da importância daquele gesto. Eu estava tendo a oportunidade de com a minha voz, poder proporcionar a alguém que não pode enxergar, através de palavras, sentir como o nosso trabalho estava maravilhoso. Esta pessoa sem o sentido da visão percebeu que mesmo gente com falha nos movimentos ou sem a capacidade de andar, assim como eu, foi capaz de produzir arte com materiais tão simples.

Era um entrelaçamento das chamadas deficiências que acontecia naquele momento, Um foi por alguns momentos os olhos do outro e dessa maneira um corpo perfeito estava formado. Aquele espaço criado para mostrar que seres humanos não são feitos apenas de carne e osso, mas sim de essências, foi testemunha de uma imensa alegria compartilhada com todos os que comungam e lutam pela causa da acessibilidade.

Conseguimos e nem imaginávamos ver nossos esforços ir tão longe e surtir um efeito e um significado tão contagiante, capaz de provocar em nós a vontade de continuar fazendo sempre mais. Nosso objetivo será sempre mostrar que a arte além de reabilitar, tem também o poder de congregar, seja na deficiência, historia de vida, arquitetura publica, autoridades políticas e quem quiser participar dessa grande corrente inclusiva que começa sim a passos lentos em nosso país, mas tenho certeza trará a igualdade que tanto sonhamos.  

video 
 Video exposição Habilit Art e oficina Pro Move - Ligue o som
 
 
O nosso muito obrigado !!!
 
A todos os visitantes da exposição e também as pessoas que não puderam comparecer ( uma vez que foi apenas durante a semana ), e nos enviaram emails e mensagens de apoio e carinho.
 
Elsa Ambrosio – Curadora do Memorial e Equipe.
Munira Tanezi – Diretora executiva da Abdim.

Empresas apoiadoras: We Can Fly( Márcia Grossmann Cohen ), Bei editora ( Adriana Domingues ), Memorial da inclusão, Governo do estado de São Paulo, Secretaria dos direitos das pessoas com deficiência.
 
Colaboradores: Carlos Eduardo Mac Quillin, Equipe do Serviço Social e Estagiarias de terapia ocupacional da UNIFESP, Santos e UFScar.

Equipe de Terapia Ocupacional – Execução
Aos nossos aprendizes, o nosso carinho e obrigado especial!  

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Buzão acessivel


Os ônibus interestaduais e internacionais devem ser adaptados para o transporte de pessoas com deficiência até fevereiro de 2013. A resolução é da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), que poderá multar ou até mesmo cancelar a autorização de funcionamento, se algum veículo não assegurar as condições de acessibilidade exigidas.
Por lei, esses usuários têm direito a receber tratamento prioritário e diferenciado nos ônibus com segurança e autonomia, total ou assistida, sem pagar tarifas ou acréscimo de valores no preço das passagens.
A comprovação das adaptações deve constar na documentação dos veículos, após vistoria do Departamento de Trânsito (Detran) de cada estado. Portanto, os ônibus que fazem linhas de longa distância deverão disponibilizar dois assentos para pessoas com deficiência e, nos semi-urbanos, 10% dos assentos devem ser reservados. Para embarque e desembarque de passageiros, os veículos deverão estar adaptados com cadeira de transbordo, plataforma elevatória ou rampa móvel.
Adaptação
As empresas têm 30 dias para fazerem adaptações menores, como a possibilidade de transportar equipamentos (cadeiras de rodas, muletas), independente do tamanho ou peso, sem pagar a mais por isso. Os deficientes visuais devem embarcar com cão-guia, assim como, o balcão de vendas de bilhetes deve ser adaptado. A ANTT exige que os funcionários sejam treinados para auxiliar no embarque e desembarque de pessoas com deficiência.
A superintendente de Serviços de Transporte de Passageiros da ANTT, Sonia Haddad, disse que não deverá haver aumento das tarifas por causa das adaptações exigidas, entretanto as empresas que comprovarem um desequilíbrio financeiro poderão solicitar a revisão dos preços na agência.
“A preocupação agora não é com a tarifa, e sim fazer com que as empresas adaptem todos os seus veículos e cumpram as normas para que possamos implantar uma política de acessibilidade no transporte”, explicou.
Exigências
As regras de acessibilidade no transporte de passageiros foram estabelecidas pelo Decreto nº 5.296/2004, que estabelece critérios básicos para garantir a acessibilidade às pessoas com deficiência e dá um prazo de dez anos para adaptação às normas. Também já existem normas vigentes da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) que tratam do assunto.
A Associação Brasileira de Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros (Abrati) disse que as regras estabelecidas pela resolução da ANTT não são novas, portanto, já estão sendo cumpridas pelas empresas. Segundo ele, a indústria já está produzindo ônibus adaptados desde 2008 e os mais antigos atendem às regras de acessibilidade com dispositivos como rampas móveis e cadeiras de transbordo.
Fonte: Blog Deficiente Ciente de Vera Garcia( http://www.brasil.gov.br/,)


quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Propagando o BEM... ( Por Andre Hidemi )

Victor Kobayashi, por meio do IPK (Instituto Paulo Kobayashi),desenvolve projetos sociais em diversas áreas na ABDIM; Trata-se de uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Publico (OSCIP), sem fins lucrativos, que faz ações sociais e desenvolve projetos sociais para Pessoas Com Deficiência, terceira idade e pessoas carentes, tais como cursos de informática, cursos de culinária, festas, passeios ao teatro e workshops, e organiza eventos da comunidade japonesa, faz parcerias e conta com o patrocínio e apoio de diversas empresas.

Fundado no dia 30 de junho de 2005, cujas atividades foram oficialmente inauguradas em 05 de dezembro de 2005, presididas por Victor Kobayashi e que leva o nome de seu pai, o saudoso professor Paulo Kobayashi, que já foi presidente da Câmara dos Vereadores e da Assembléia Legislativa de São Paulo, o único político Nikkei a presidir as duas casas e considerado um dos melhores políticos de São Paulo.

Somente nos últimos dois anos o IPK levou 18 pacientes, seus cuidadores e funcionários da ABDIM para peças de teatro, espetáculos musicais, estádio de futebol e shows, dando oportunidades para muitos que nunca foram a esses lugares e proporcionando acesso a cultura e lazer. Os pessoal da ABDIM já foi assistir ao musical Mamma Mia no Teatro Abril, o espetáculo New York, New York no Teatro Bradesco, uma partida de futebol com o piloto de Fórmula 1 Felipe Massa e seus amigos no Estádio do Morumbi e ao show Batman Live no Ginásio do Ibirapuera. Durante o espetáculo Mamma Mia, o pessoal da ABDIM ouviu os sucessos em português do grupo musical ABBA, sucesso dos anos 80, e assistiu a reprodução em peça de teatro do filme de mesmo nome, num espetáculo da Broadway, de sucesso de público e que ficou em cartaz por mais de um ano. No espetáculo New York, New York, entrou-se no mundo de Nova York das décadas de 20 e 30, com a música New York, New York de Frank Sinatra e num show de músicas norte-americanas conhecidas e muitas luzes. No Estádio do Morumbi houve uma partida de futebol de confraternização de fim de ano que contou com a presença de figuras ilustres como o piloto Felipe Massa, o piloto Popó Bueno, o comentarista de futebol Caio Ribeiro e o humorista Mendigo. Todos puderam pegar autógrafo e tirar foto com essas estrelas e tiveram acesso a todo o estádio. No show Batman Live, em que houve três oportunidades para levar o pessoal da ABDIM, mergulhou-se no mundo de Gotham City e do Batman, Robin, Mulher Gato e Coringa e todos ficaram impressionados com o Bat Móvel, num espetáculo recorde de público, de produção norte-americana e que roda o mundo todo. Além disso, o IPK colabora com doações, colaborações, voluntários e brindes nas diversas edições do Natal Solidário ABDIM/Harmonia, que neste ano chega em sua décima edição. Quem não curtiu o famoso gyoza, o pastel japonês? O IPK sempre esteve presente no Teishoku e Paella Solidário, que arrecada fundos para a festa de Natal, e no Natal Solidário ABDIM/Harmonia.


O IPK, abre oportunidades para quem tem limitações para sair de casa e para quem nunca sai de casa, promove a inclusão social para Portadores de Distrofia Muscular e Pessoas Com Deficiências e proporciona cultura e lazer para todos.



Site do IPK: http://www.ipk.org.br/




Concurso de Contos do BUNKYO‏



Um convite bem diferente !!

Desta vez é para participarem do I Concurso Bunkyo de Contos, com o tema “Encontro entre as Culturas Brasileira e Japonesa”,

Esta é uma promoção da Comissão de Atividades Literárias - Seção de Língua Portuguesa (CAL-P) do Bunkyo, e que tem o Dr. Tuyoci Ohara, como um dos organizadores e o objetivo de incentivar a criação literária, fomentar a expressão da rica experiência humana decorrente do encontro e da mistura das culturas brasileira e japonesa, dos quais todos nós somos seus frutos e ainda, revelar novos talentos.

Maiores informações e o regulamento do do concurso pode ser acessada no site do Bunkyo em :


Divulguem, convidem e incentivem familiares e amigos a participarem deste I Concurso Bunkyo de Contos!!